Resenhas

Entrevistas

Clássicos

87 MÚSICAS PARA FALAR DE ROCK COM AS CRIANÇAS

Esta aqui é diretamente do meu Esconderijo do Tempo, período anos 70 e 80, para quem aí se identificar! Em casa o rock era,...

Mio Mao

Há uns meses, procurando algo no Youtube para apresentar à minha filha Clarice, fiquei pensando que poderia ser algo da minha memória de infância....

100 ANOS DE ROALD DAHL – A FESTA POR UMA FÃ ESPECIAL

  Nos contos de fadas, as bruxas sempre usam umas capas e uns chapéus pretos ridículos, e voam em cabos de vassouras. Mas esta história...

Snoopy, Charlie Brown… The Peanuts!!

Em 2011, em viagem a San Francisco, meu marido e eu fomos visitar o Cartoon Museum, museu de desenhos da cidade. Pequenininho, mas foi...

A Fantástica Fábrica de Chocolate

Nem vou me preocupar em fazer média: conheci a mais incrível história de Roald Dahl pela versão do filme, em que Gene Wilder vivia...

A Fada Que Tinha Ideias

No princípio, como não tinha prática, escorregava muito desajeitada e Clara Luz morria de rir.

Mas logo se habituou e mostrou que tinha um jeitinho louco para escorregar no arco-íris. Escorregava de costas, de frente, em pé e até dançando.

Clara Luz fazia tudo para imitá-la, mas a verdade é que não conseguia tão bem.

Tinha acontecido uma mágica com o cabelo da Professora: agora estava dividido em duas tranças, igualzinho ao que ela usava quando tinha dez anos.

Clara Luz estava notando isso, mas não disse nada. A Professora ainda não tinha percebido o que lhe acontecera.

— Agora — disse Clara Luz — a senhora não quer dar uma espiada nos outros horizontes?

— Que outros, querida? Só existe um.
— Então olhe para lá!
A Professora, que só estava olhando para cá, concordou

em olhar para lá, já que Clara Luz fazia questão.
E viu mais de dez horizontes, um depois do outro.
— Não é possível, Clara Luz! Estou vendo dez!
— É? Então a senhora é formidável em Horizontologia, mesmo. Eu só estou vendo sete.

Fernanda Lopes de Almeida