OS CLÁSSICOS

0
  “O trabalho de Caldecott anuncia o início do livro ilustrado moderno. Ele criou uma ingênua justaposição de palavra e imagem, um contraponto que jamais...

0
  Nos contos de fadas, as bruxas sempre usam umas capas e uns chapéus pretos ridículos, e voam em cabos de vassouras. Mas esta história...

0
Por cima, primeira versão, autograda por ela em uma entrevista. Atrás, o Marcelo, Marmelo, Martelo com novo projeto gráfico e ilustras de Mariana...

RESENHAS

1
Entrevistei a escritora e ilustradora Eva Furnari pela primeira vez em 2007. Era para a Lista dos 30 Melhores Livros Infantis do Ano e...

0
Como é que a gente começa a sonhar? Bem, se escrevo a palavra "começo", me vem à mente uma outra palavra, fio. Depois outra:...

DIZEM POR AÍ...

 

Todas as crianças crescem, exceto uma. Elas logo descobrem que vão crescer, e Wendy descobriu assim: Um dia, quando tinha dois anos de idade, ela estava brincando num jardim e colheu uma flor a mais e correu com ela até sua mãe. Acho que Wendy devia estar mais graciosa do que nunca, pois a sra. Darling levou a mão ao coração e exclamou:

– Ah, bem que você poderia ficar assim para sempre!

Isso foi tudo o que houve entre elas em torno do assunto, mas dali em diante Wendy soube que iria crescer. Todo mundo sabe, depois de fazer dois anos. Dois é o começo do fim.

início de Peter Pan e Wendy, de James Barrie, tradução de Rodrigo Breunig para versão da editora LPM