Resenhas

Entrevistas

Clássicos

Meus 20 (ops, 16!) anos da Palavra Cantada

  Assisti essa semana a um show da Palavra Cantada no Clube Atlético Aramaçan, em Santo André, São Paulo. Era o show da turnê que...

Mary Poppins

Quando eu era criança, sempre que uma bolsa estivesse cheia demais ouvia minha mãe ou minha irmã brincarem: "nossa, está parecendo a bolsa a...

Dia das Crianças: 19 fragmentos inesquecíveis em palavras, imagens e mais

    Acho que se alguém pudesse hoje fazer um livro ilustrado dos meus pensamentos, estaria dividido em trechos que elevam a infância, como os próprios...

A Caligrafia de Dona Sofia

Como é bom se apaixonar. Geralmente acontece com algo que você não conhecia antes. Aquele prazer de ver algo pela primeira vez. Há livros...

87 MÚSICAS PARA FALAR DE ROCK COM AS CRIANÇAS

Esta aqui é diretamente do meu Esconderijo do Tempo, período anos 70 e 80, para quem aí se identificar! Em casa o rock era,...

A Fada Que Tinha Ideias

No princípio, como não tinha prática, escorregava muito desajeitada e Clara Luz morria de rir.

Mas logo se habituou e mostrou que tinha um jeitinho louco para escorregar no arco-íris. Escorregava de costas, de frente, em pé e até dançando.

Clara Luz fazia tudo para imitá-la, mas a verdade é que não conseguia tão bem.

Tinha acontecido uma mágica com o cabelo da Professora: agora estava dividido em duas tranças, igualzinho ao que ela usava quando tinha dez anos.

Clara Luz estava notando isso, mas não disse nada. A Professora ainda não tinha percebido o que lhe acontecera.

— Agora — disse Clara Luz — a senhora não quer dar uma espiada nos outros horizontes?

— Que outros, querida? Só existe um.
— Então olhe para lá!
A Professora, que só estava olhando para cá, concordou

em olhar para lá, já que Clara Luz fazia questão.
E viu mais de dez horizontes, um depois do outro.
— Não é possível, Clara Luz! Estou vendo dez!
— É? Então a senhora é formidável em Horizontologia, mesmo. Eu só estou vendo sete.

Fernanda Lopes de Almeida