O Barco dos Sonhos

1663

Descubro cada dia mais que estou em uma espécie de “cruzada” pela valorização do livro ilustrado, muitíssimo mais à vontade quando encaixado nas prateleiras e catálogos da literatura infantojuvenil. Muitos bons e encontros e todos os bons livros me encaminham para o pensamento do quanto perde-se tempo não aproveitando o que temos de arte disponível. Parece até piada esta crise da produção brasileira do setor na qual estamos mergulhados se temos tudo para salvar o mundo, se estamos diante de uma gama de pessoas tão criativas e com tanto a dizer, trocar…

Há muitas razões e aspectos diversos e sempre que estou diante de uma obra de arte em minhas mãos – considerada por mim, assim, diga-se – eu me encho de felicidade para gritar ainda mais alto: ei, você, olha isso aqui! Algumas vezes eu faço isso literalmente. Outras, por aqui, outras em encontros presenciais… Ei, olhe já O Barco dos Sonhos, livro mais recente do artista Rogério Coelho, lançado pela Editora Positivo! É meu grito agora.

Levou sete anos para ficar “pronto”. Mas livro fica pronto quando mesmo?

BARCOSONHOSSENHOR

Em uma história “só” com imagens, temos em mãos um livro que as palavras não dão conta. Posso simplificar dizendo que trata-se de uma belíssima sequência de quadros que mostra um senhor em uma casa antiga à beira-mar, que recebe uma folha em branco, encontrada dentro de uma garrafa que veio boiando no mar. Ele pega um lápis e, misteriosamente aos olhos do leitor, desenha um barco. Enrola o papel, recoloca na garrafa, que vai para o mar, com sua mensagem.

BARCOSONHOSMENINOROGERIO

O tom sépia ganha azul para nos levar, agora, para uma outra casa. A casa de um menino que recebe uma carta, envelopada. Nela, um barco. Neste barco, o menino coloca lá o seu sonho. No seu sonho, ele vai no barco, mas um barco voador, que encontra um senhor, que mora à beira-mar. Faz-se um ciclo? Por fora ou por dentro?

Ah, não é livro para ler correndo e entender de uma vez. É livro para descobrir, degustar, aproveitar. Cheio de detalhes em luzes, sombras, tons e formatos, parece que voamos no barco ou ouvimos os cantos dos pássaros. O livro está cheio de pássaros cantando! É livro-música também, veja só. De infância, de velhice e de pensar no encontro de ambas fases, que somos o tempo todo.

Aí, quem sabe, nos damos conta de que é um livro que não vai acabar nunca. Feito literatura.

BARCOCAPA2

O Barco dos Sonhos (ed. Positivo)

Ilustrações de Rogério Coelho

2015

 

Deixe uma resposta