Quem sou eu

Cresci em uma família cheia de desafios – como tantas outras! – mas tive muita referência de
música, literatura e cinema. Tudo, porém, na experiência, no cotidiano, na intuição, no compartilhar sem qualquer planejamento. Um delicioso sem-inteção. Minha infância e adolescência foi uma mistureba de:

Beatles com
Altermar Dutra
com Chico Buarque com
O Poderoso Chefão com
Mary Poppins
com
Depp Purple
com
coleção Disquinho com
circos e palhaços com
Monteiro Lobato, Ana Maria Machado, Ruth Rocha
com
contações de história e Pedro Malasartes com
Zé Keti
com Jovem Guarda com
Elis Regina
com
Cacá Rosset com Maria Clara Machado com

Dalva de Oliveira com Juca de Oliveira

com
novelas com
Cantando na Chuva, Ben-Hur, Os Goonies
com Bambalalão com
Vinicius de Moraes
com Muppets

E, isso tudo, talvez, me fez o que sou hoje. Gosto de muita coisa e gosto acima de tudo de compartilhar. Eu era daquelas que gravava para os amigos fitas K-7 com as canções preferidas, sabe? Depois de 8 anos na revista e site Crescer (Editora Globo), em que me tornei editora de educação e cultura, descobri que meu amor pelo jornalismo cultural poderia me levar de volta a esta infância repleta de afetos, destes que a gente senta para ler junto, ou coloca na vitrola ou vibra da plateia.
Ampliei as fronteiras da profissão e fiz a pós-graduação A Arte de Contar Histórias, do arte-educador Giuliano Tierno, e o curso A Imagem Narrativa e a Ilustração de Livros, dos escritores e ilustradores Odilon Moraes e Fernando Vilela, além de participar sempre que posso de encontros e seminários sobre cultura a infância.
Tudo isso foi palco para muitos novos amigos e novas redes de informações e trocas poéticas.
Em 2012, lancei meu primeiro livro infantil, Carmela Caramelo, pela Ed. Cortez, acompanhada do ilustrador André Neves. Neste mesmo ano, no entanto, aconteceu o que mudou tudo: Clarice, minha primeira filha. Ao lado dela, estou conhecendo o mundo novo que os filhos trazem e revendo os conteúdos das minhas estantes, dos meus discos, dos meus filmes preferidos, dos programas de TV para crianças.
E com o Esconderijos do Tempo pretendo revelar os “produtos para crianças” que têm algum significado para mim, trocar ideias e, quem sabe, ser um ponto de partida para uma boa conversa sobre cultura e infância!