Mel na Boca, novo livro de André Neves

2985

MELNABOCAAVONETO

Entramos no novo livro do pernambucano André Neves por um portão baixinho. Ao lado dele, um muro longo exibe um passarinho meio escondido, mas pronto para gente ver. Pássaro é paixão e marca deste ilustrador. A dupla de páginas a seguir começa com um momento poético. Poesia para contar a vida é marca deste escritor.

Lentamente o dia se enrosca nos galhos da árvore e ilumina o pátio.

Pendurada, a gaiola com o pintassilgo dá bom dia ao sol.

O avô gosta de pássaros e de manhãs. Tino, o neto, também gosta e tem mel na boca quando canta.

Na imagem, quem está empuleirado é neto e avô. A gente vê só uma parte, mas já sonha com o afeto que estamos prestes a conhecer. Assim nos é apresentado Mel Na Boca, que acaba de ser lançado pela Editora Cortez na Bienal do Livro de São Paulo. A sucessão de páginas nos adoça o olhar: tem cenas carinhosas de avô e neto, tem cheiro de brincar com manhãs. A gente quase consegue ouvir o canto-passarinho do menino. Depois, quase ouve ele tirando música de tudo: é sua forma de viver o mundo no tempo das férias na casa do avô. E, então, vê a cumplicidade dos dois estendida em um dos momentos de mais confiança entre adulto e criança: aprender a andar de bicicleta.

MELNABOCARODINHA

É neste momento também que entendemos a paixão do avô pelo canto dos pássaros. O menino para o andar de bicicleta, porque o avô se perde na música da ave. É lindo reparar onde estão as rodinhas da bicicleta: quem, afinal, está buscando equilíbrio, oras?

A noite chega e segue daí a angústia do menino vivendo uma etapa da liberdade. É compaixão? É ciúme? Ele dorme aflito, em uma ilustração boa de ser perder nas suas cores, tons e luzes, no mistério do olhar do menino, no movimento do que o acolhe.

MELNABOCADEITADO

 

O dia seguinte pega o leitor de surpresa: acontece o desejado por quem lê desde a primeira dupla, mas o surpreendente mesmo é a reação do avô. A cumplicidade toma outra forma e é a gente que sente aquele ventinho que vem com o pedalar. Quem, afinal, deseja a liberdade?

O livro nos põe a refletir a partir de um cotidiano simples, algo nosso, identificável. As cores, as colagens, as luzes quase fotografia, os gestos em poesia e o amadurecimento de avô e neto, juntos, nos dão aquela vontade de começar a leitura de novo. É a trajetória o encanto maior, como é a vida de qualquer pessoa. Este é o mel que experimentamos, embora sempre seja uma escolha.

MELNABOCACAPA

Mel na Boca (Ed. Cortez)

textos e ilustrações de André Neves

2014

Leia também: A Caligrafia de Dona Sofia, um clássico de André Neves
e o encontro de André com crianças italianas durante a Feira do Livro Infantil de Bologna

 

 

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta