SUBA E EMBARQUE NESTA HISTÓRIA!

965

 

 

 ONIBUSCAPA

Quais as expectativas para a primeira vez em uma viagem de ônibus sozinha? Como fica a criança? Como fica a mãe? E quem estaria dentro?…

Ursos enormes?

Coelhos fofinhos?

Uma família de lobos?

Alguma outra criança?

Pode acontecer algo assustador? E pode acontecer algo divertido?

Pode ser tudo isso e mais um pouco na imaginação de uma menina. Ou na realidade de um livro.

Estas são algumas das perguntas e respostas que nos causam a leitura de Ônibus, da canadense Marianne Dubuc, que a editora Jujuba acaba de trazer para o Brasil, com tradução de Maria Viana.

EMFRENTEAMINHACASACAPA

Só uma observação: adoro o trabalho dela e tenho como meus livros de cabeceira tanto o divertido Em Frente à Minha Casa (Ed. WMF Martins Fontes) – que, em uma espécie de ciranda, nos apresenta uma série de cenas puxadas por figuras ou palavras…

LEAOPASSARO1

.. como o belíssimo O Leão e O Pássaro (Ed. Positivo),  com a história de amizade nascida após um leão solitário encontrar um pássaro ferido.

onibus1Ônibus, no entanto, trata-se de uma viagem que, logo se percebe, está longe de ser uma experiência comum. Falando em experiência, a leitura do livro já se dá de maneira que lemos a situação representada nas duas páginas de uma única vez. O que vemos, são cenas de um ônibus, como se estivéssemos do lado de cá do transporte, ou mesmo do lado de fora (aí vai da imaginação do leitor). Esta perspectiva divertida provoca a sensação de estar assistindo a um filme. Um filme em que uma menina com uma peça vermelha e carregando uma cestas de doces vai ao encontro da avó. O que? Já ouviram esta história antes? Sim, a referência a Chapeuzinho Vermelho é tão clara quanto inusitado é o decorrer da narrativa.

Tudo começa com a mãe acompanhando a filha na espera pelo ônibus. Quando ela sobe, a recomendação da mãe: “Seja boazinha”. A protagonista narradora nos revela, então, ser a primeira viagem sozinha e nos conta sobre uma cesta e uma blusa vermelha, preparadas pela mãe. De olho nos paradas, o leitor-espectador vê um grupo de passageiros do tipo que a gente não espera, mas adora: duas amigas coelhas, um urso, uma família de lobos, um bicho-preguiça… Cada um à sua maneira aproveita a viagem enquanto a menina faz amizades e observa a vida.

O desenho de Marianne, já característico por pequeninos rabiscos cheios de delicadezas, estão ainda incorpados nos detalhes e nas cores tornando irresistível a vontade de voltar a página e ver tudo de novo. Há sempre o que procurar: um determinado elemento nos dá pistas da jornada. Se ela chega bem na casa da vovó? Mas isso é realmente importante?

 

Ônibus (Editora Jujuba)

textos e ilustrações Marianne Dubuc

tradução Maria Viana

2015

Deixe uma resposta