FEIRA DE BOLOGNA 2015: O espanto como jeito de ler o mundo

1277

 

BOLOGNA2015FOTO

Aqui no Brasil, quem trabalha com literatura infantil sonha em ir todos os anos para a Feira do Livro Infantil em Bologna, na Itália. Estive lá ano passado, e é realmente maravilhoso. Para falar sobre a versão da feira deste ano, convidei o escritor Roberto Parmeggiani, que nasceu e mora em Bologna e que tem uma carreira lá e aqui no Brasil, com dois livros lançados aqui pela editora DSOP, Lição das Árvores e o Avó Adormecida (que ele lançou na feira pela Kalandraka!), ambos pela editora DSOP, e que já prepara mais um, pela recém-lançada editora NÓS. Vejam este apaixonado e lúcido depoimento sobre a mais importante feira de livros infantis do mundo

 

Se tivesse que escolher uma palavra para descrever o que foi, este ano, a Feira do Livro Infantil de Bolonha, que aconteceu na cidade italiana de 30 de março a 2 de abril, sem dúvida escolheria a palavra espanto.

E claro, dentro desta palavra se mistura a minha experiência como autor, como leitor e como morador da cidade que hospeda a feira.

O espanto representa para mim uma das mais importantes habilidades e características humanas. É a capacidade de responder ao que acontece ao seu redor, de descobrir a beleza que nos cerca, de entrelaçar relações com o mundo e, enfim, de ver a realidade com um outro olhar.

Qual momento melhor se não uma feira de livro infantis para se espantar?

O que me suscitou mais espanto foram as tantas pessoas que visitaram os pavilhões da feira e que, também segundo os dados oficiais, foram mais que o ano passado.

Claro, não se trata só de números. Mas também do desejo perceptível de descobrir, aprofundar, conhecer o que o mundo da literatura infantil ainda pode oferecer. A confirmação, como se ainda precisássemos disso, de que a literatura faz parte da vida das pessoas e é importante como a comida, o futebol ou o namorar.

Pessoas, olhares, palavras, relações, experiências e esperanças.

Editores, ilustradores, escritores e leitores, protagonistas, não só da publicação de bons livros, mas também da construção da sociedade que queremos para o nosso futuro.

BOLOGNA2015MURAL

Outra coisa que chamou a minha atenção foi o mural dedicado à exposição de diversas ilustrações que, a cada ano, permite a ilustradores, mais ou menos conhecidos, de propor o próprio trabalho. Foi muito bom parar na frente de algumas delas, deixar a mente descansar e viajar em vários lugares desconhecidos, encontrar pessoas, personagem e animais fantásticos, descobrir como o percurso da ilustração profissional está conseguindo integrar, sempre mais, a estética com uma comunicação emocional eficaz.

Espanto, porém, é também ver como, apesar de estarmos passando por uma crise econômica muito importante, a resposta que o mundo literário infantil está tentando de dar não é “menor qualidade, por menor custo”, mas “maior qualidade, para maior cultura”. Porque a resposta para esta crise está em um aumento do saber, das competências, da pesquisa, da consciência social e ecológica. Da diversidade da proposta, seja no conteúdo e na forma do texto, nas diferentes técnicas utilizadas para realizar as imagens. Ter bons livros e boas palavras, significa ter bons leitores e, consequentemente, pessoas mais conscientes.

Enfim, o espanto maior. Nesta feira, nos pavilhões, na livraria internacional mas também nesta cidade, nas suas ruas, sob os pórticos, você encontra o mundo. Pessoas de qualquer parte que se encontram ao redor dos livros, seja por interesse comercial seja pelo amor da literatura como arte e jeito de viver.

 

Roberto Parmeggiani com a versão italiana de seu A Avó Adormecida, na Feira de Bologna 2015
Roberto Parmeggiani com a versão italiana de seu A Avó Adormecida, na Feira de Bologna 2015

Gosto de pensar que isto possa ser uma antecipação de um mundo futuro possível, no qual as diversidade estão juntas, no meio de muitas cores, falando uma língua universal e com uma atenção especial para a parte melhor de nós: as crianças.

 

Deixe uma resposta