Presos, de Oliver Jeffers

1819

PRESOSESCADA

 

A primeira impressão do título é estranha. “Presos”, você pensa, “agoniante”, você sente. Mas, como sabem os leitores deste blog, adoro praticamente tudo que o escritor e ilustrador australiano-irlandês-morador-de-Nova-York Oliver Jeffers faz (fiz um post sobre o trabalho dele, leiam aqui!). E, assim, encarei Presos (Ed. Salamandra) esperando algo que poderia ir para o melancólico ou o bem-humorado, duas características do autor, que sempre alinhava suas histórias com surpresas e ótimos enredos.

PRESOSARVORE

Bem, o fato é que a história de Presos começa quando a pipa de Felipe fica amarrada em uma árvore. Ele tenta sacudir para derrubá-la mas, sem sucesso, arremessa um de seus sapatos para ajudar. Quando a ação não dá certo, ele decide arremessar o outro pé de sapato. Com os três objetos presos nos emaranhados da árvore, ele vai buscar Mitch, o gato que… claro, gruda também. Uma escada! Mas Felipe não usa a escada da forma que o leitor imaginaria e… e por aí vão mais uns quase 20 objetos e não-objetos (você não faz ideia do que ele joga na árvore) sem que Felipe tenha de volta a sua pipa. Quase chegando no final, no entanto, ele tem uma grande ideia e nos dá de presente um desfecho tão divertido quanto à própria narrativa.

O projeto gráfico dos livros de Oliver são sempre bem elaborados, tanto na escrita quando nos desenhos. Embora sejam fáceis de reconhecer a autoria (há quem possa achar repetitivo. Será?), são rabiscos cuidadosamente apresentados em texto (grande parte dos livros e outros trabalhos dele acompanham uma tipografia específica) e imagem (com lápis preto misturado a cores de tinta no traço e texturas diferentes encobrindo toda a página, que também conduzem uma leitura da história sugerindo, por exemplo, sentimentos, tempo de narrativa ou tom de humor). Mas é mais como se uma coisa estivesse realmente a serviço da outra. Nem o enredo se faz sozinho, nem só o texto e nem só as ilustrações: é preciso que o leitor se envolva com os três de uma vez para aproveitar os detalhes e enriquecer a história a seu modo.

Oliver mais uma vez brinca com as possibilidades da criatividade, deleitando o leitor em puro nonsense, ao mesmo tempo em que coloca o conceito de politicamente correto no patamar mais incrível de todos: o da imaginação sem limite, próprio da criança e de quem mais tiver coragem.

Assistia aqui ao autor lendo Presos (em inglês):

 

 

PRESOSCAPA

presos_capa

 

Presos (Ed. Salamandra)

textos e ilustrações de Oliver Jeffers

2014

Deixe uma resposta