Livraria NoveSete e a arte de receber crianças

2427

Conversei com Gislene Gambini, dona da Livraria NoveSete especializada em literatura infantojuvenil e que acaba de completar 7 anos de vida. Por trás de um acervo de qualidade e um ambiente acolhedor com cara de “loja de bairro”, a consciência do papel educador na formação de leitores

NOVESETEDENTRO1p

Era uma vez um pai e uma mãe que levavam sua filha para passeios em livrarias desde muito pequena. Esse pai e essa mãe ficavam muito, mas muito chateados como, em geral, os livros para crianças eram maltratados nas livrarias de São Paulo. Ela com formação e experiência como editora; ele, mais de 30 anos de trabalho na área de cultura. Como esse casal sonhava em ter um negócio próprio, perguntaram a si mesmos: por que não abrir uma livraria?

E começaram a procurar um espaço. Moravam na Vila Mariana, zona sul da cidade, e sabiam que a região ansiava por uma livraria especializada no público infantojuvenil. Muitas escolas no entorno e algumas ruas ainda preservavam o ar de “bairro” de antigamente. Acharam um local na rua França Pinto, de boa circulação, entre duas estações de metrô. Foi ali, no número 97 que o sonho do casal começou a se concretizar. Nascia, então, a Livraria Novesete.

SONY DSC

As duas vagas para carro na entrada – em breve abrigará também um espaço somente para o estacionamento de bicicletas – nos dão mais alguns minutos para o grande primeiro deleite: uma vitrine de bom gosto, com variedade na exposição de livros e brinquedos artesanais que só colaboram para o convite. Entrar é, sim, dar de cara com um acervo de embaralhar a vista. Mas o aconchego já acontece junto: com pufes coloridos espalhados pelo chão, bonecos pendurados no teto e obras acessíveis a qualquer altura. Conforme acontece a exploração, vamos notando que uma primeira bancada reserva os lançamentos… depois outras divisões vão se revelando aos nossos olhos: poesias, mitos e lendas, quadrinhos, contos de fadas, culinária etc, mas também autores “clássicos”. A exploração continua e, do lado esquerdo, um café convida a uma parada para alegrar o estômago, com cardápio tão acolhedor quanto os livros. Seguimos o passeio visual avistando mesas de madeira num deque que nos leva a uma escada e, por fim, a uma espécie de “quintal ideal” com plantas e flores ao ar livre e um espaço coberto reservado para nem mesmo a chuva impedir uma contação de histórias ou uma oficina de artes, todos os sábados.

NOVESETEQUINTAL

Do encontro com o imóvel para a inauguração, em 2007, foram quatro anos de reforma e criação do projeto. “Aqui era uma casa, coincidentemente era do pai de um amigo que veio na inauguração sem nem saber que o pai havia morado aqui. E outras pessoas que moraram aqui ainda vieram me contar como era a casa, que onde é o caixa era a biblioteca, que no fundo era um quintal imenso com vários bichos, pomar. Todo o mundo fala que a casa tem um astral bom, acho que ela carrega mesmo algo especial”, conta Gislene Gambini que, após a morte do marido, Jesus Vazquez, toca o empreendimento sozinha, mas na companhia de funcionários também conscientes de que ali não é apenas um local que vende livros. “Cuido para sejam pessoas que gostem de ler, que não seja uma passagem de emprego”. E qual o diferencial que buscavam, perguntei a ela. “Essa cara de loja de bairro, aconchegante, que a decoração é toda pensada de uma forma diferenciada, sem peças de plástico, sem sacola plástica, um conceito realmente completo, de toda a empresa.”

Para criar o acervo, eles tiveram a colaboração de Beatriz Almeida Prado, que foi responsável pela área infantojuvenil da Livraria da Vila e já estava fora de lá na época que a NoveSete nascia. “Quando contamos para Beatriz a ideia, ela veio ficar conosco. Também uma apaixonada por livros, ficou meses criando o acervo e mais alguns meses depois da inauguração, até completar um ano. Aprendemos muito com ela.”

E é bem mais do que oferecer algo de qualidade para ler. Há famílias que carecem de saber lidar com o objeto livro, não têm experiência de como se portar dentro de uma livraria. E não estou falando das crianças. Não raro os pequenos danificam os livros, ou pela fase de desenvolvimento, ou pela falta de educação mesmo. Muitos pais não se importam e quando alguém da livraria orienta o manuseio, incomodam-se. Por isso que é um trabalho cotidiano de aprendizado, de ambos os lados.

Como a livraria cumpre um papel educador, também há serviços diretamente com as escolas. Não apenas trabalho com sugestão e venda de acervo e feiras de livros. “A gente atende as escolas que queiram visitar a livraria, em um formato que pode ir além. Comecei a perceber que as escolas vinham e as crianças ficavam soltas, correndo sem saber o que fazer. Me dava uma angústia. Então criamos um formato que a escola vem e é recebida por um educador que apresenta a livraria, fala sobre os gêneros literários e também pode escolher uma oficina, mediante um custo acertado previamente”, conta Gislene.

No próximo dia 2 de outubro, a NoveSete inaugura um novo projeto e abrigará o seminário Café com Ideias em parceria com a Editora Pulo do Gato que, nesta primeira edição, vai discutir a importância de livros infantis com temas difíceis (mais informações abaixo). “Desde o começo a gente fala que não somos simplesmente um comércio de livros. Queremos nos transformar em um ponto de formação de leitores que, acima de tudo, gostem de vir aqui. Eu vendo conhecimento. É muita responsabilidade e tem que ser mesmo”. E ela quer mais: o próximo foco é a ilustração e a necessidade de uma formação visual dos leitores.

Bem, vida longa para a Livraria NoveSete. Como moradora da região, é um privilégio. E dialoga com uma questão muito forte para mim neste momento: a importância de exercer a escolha do que ler. Dois lugares são apropriadíssimos para isso: a livraria e a biblioteca pública. Além da leitura, visitar estes locais são experiências culturais e uma chance de se encontrar com o inesperado, aquele livro que você não procurava mas que estava ali à sua espera. Onde mais aprenderíamos isso?

 

Livraria Novesete

rua França Pinto, 97, Vila Mariana – São Paulo/SP

telefone: (11) 55737889

www.livrarianovesete.com.br

 

Para o seminário Café com Ideias – participação de Denise Guilherme, formadora de professores e curadora de A Taba; Gabriela Romeu, jornalista e coordenadora do Projeto Infâncias; Márcia Leite, diretora editoral da Pulo do Gato e escritora; Maria Cristina Mantovanini, doutora em educação e psicanalista; Patrícia Torralba Horta, doutora em educação e assessora pedagógica

inscrição gratuita por (11) 3214 0228 ou informativo@editorapulodogato.com.br

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta