A Incrível História do Menino Que Não Queria Cortar o Cabelo

2553

incrivelmeninonaocortacabelo2Sempre tenho pavor de história que quer ensinar o lado, digamos, “prático” da vida. Dar lição de moral em criança que se comporta “mal”. Aí dei de cara com A Incrível História do Menino Que Não Queria Cortar o Cabelo (Ed. Folia de Letras), conto nascido na cabeça fervilhante de Penélope Martins, uma, como ela mesma gosta de dizer, “encantadora” de histórias. Aqui ela narra a história de um menino que mora com a mãe em um pequeno vilarejo, entre florestas sombrias. A descrição e as ilustrações de Cris Alhadeff dão arrepios. Primeiro, porque a primeira dupla de livros está cheia de piolhos. Piolhos emaranhados em fios de cabelos de uma cabeleira tão, mas tão grande que não é possível nem ver o final.

Segundo porque, pelo começo da história, a gente sabe que vem teimosia por aí: o menino jurava para quem quisesse ouvir que ele nunca cortaria um fio de cabelo sequer. Tomar banho? Também não era com ele e a mãe já estava farta desta canseira de todo o dia. O que? Se é um livro para ensinar as crianças a importância de tomar banho? É, pode ser. Mas se você ler em voz alta vai dar tanta risada com as crianças que vai descobrir que o livro tem muito mais que isso. Ou, na verdade: que, às vezes, uma história bem nojenta é tudo que a gente precisa.

Ainda no livro, a mãe do menino usa um recurso bem conhecido e repassa para o filho uma história que nem ela, claro, acreditava muito. A de um bruxo que perseguia crianças que não se lavam.

 

Certa noite, quando a lua cheia iluminava o céu, o bruxo caçou o menino malcheiroso e desobediente e arrastou-o pelo cabelo embaraçado até o castelo onde morava. Lá o jogou para dentro de um caldeirão repleto de uma poção horripilante, uma espécie de ensopado de cocô de vaca velha, casco podre de cavalo, rãs pegajosas, aranhas venenosas, baba de cachorro bravo, pelo de sovaco de macaco, couro de cobra e outras coisas.

 

E a diversão do livro não para. Um barbeiro da região decide ajudar a mãe do menino a convencer o garoto a cortar o cabelo. Mas o menino corre de todos, o barbeiro dá um último aviso em relação ao monstro até que… até que o monstro aparece e agarra o menino. Tudo parecia perdido, mas o barbeiro tinha um golpe certeiro contra aquele momento de horror. Alguém arrisca?

 

É assim: história que nasceu em casa (Penélope inventou para o filho e se inspirou no irmão), que fala do cotidiano. Mas que tem a pitadinha de surpresa e os dois pés no fantástico, fazendo toda a diferença. História boa é aquele que nos deixa com uma pulguinha atrás da orelha. (e, talvez, uma mosquinha ou outra, piolho nos cabelos… vai saber?).

incrivelmeninonaocortacabelo

A Incrível História do Menino Que Não Queria Cortar o Cabelo (Ed. Folia das Letras)

textos de Penélope Martins

ilustrações de Cris Alhadeff

2014

 

palpite: para crianças de 4 a 100 anos

1 COMENTÁRIO

  1. Que história machista, o menino continuou sujo ele precisava de um banho e não de um corte de cabelo, e por que as meninas podem deixar o cabelo crescer?

Deixe uma resposta